sábado, 11 de dezembro de 2010

Desejos Impuros - Parte 3 - A Dupla Perfeita

Eu e Ísis ficamos juntas na sala do primeiro ano B, uma sala que não tinha muitos alunos "nerds", mas que existia um grupo, um grupo de patricinhas ridículas e seus "puxa sacos". Quando digo patricinhas, não são aquelas que usam roupa rosa e tem um carro esporte no estacionamento, mas sim de patricinhas que gostavam de mandar no colégio e elas não tinham opção de cor. Bia, Jéssica (ou Jel, como gostava de ser chamada), Dani, Ivie e Camile, aquilo sim era um grupo podre. De todas as que mais se destacava na inteligência era Beatriz, na simpatia era Jéssica, na molecagem era Daniele e nas “queridinhas dos professores" era Ivie e Camile (que tinha o professor de Química aos seus pés). Realmente este parecia ser um grupo imbatível, se não fosse à dupla perfeita.
 
Caroline Olivier Bastos e Thalita Vieira Meirelles eram o que podemos chamar de Dupla Perfeita. Tinham tudo o que o grupo da Bia tinha e um pouco mais e sem muito esforço. Líder da sala, popular e namorada de Fábio (um dos garotos mais gatos do segundo ano), Carol tinha o poder nas mãos. Ela era linda, e apesar do seu sotaque paulistano, tinha o português "perfeito" e sabia impor a sua opinião sobre os demais (não foi á toa que ela ganhou exatamente 28 votos para ser a Líder da sala, ela sabia liderar). E como estamos falando de uma dupla, não posso esquecer de Thalita. De olhos claros e beleza estonteante, ela possuía uma simpatia invejável. Todos gostavam dela, até os porteiros. Deve ser por isso que eu nunca entendi o porquê dela estar sempre sozinha, sem namorados, nem ficantes. Das duas a mais meiga era Thalita, ela era muito legal. Notei isso desde a última vez que nos falamos na aula de Biologia. Porém eu sinto que existe algo que a deixa infeliz, mas não sei o que é. Embora ela fizesse parte da dupla mais popular do colégio, ela sempre olhava as pessoas com uma expressão de dor, deve estar passando por um algum momento difícil.
 
Já Carol vivia rodada de lacaios (seus puxa sacos de plantão). Bia e o seu grupo não gostavam muito dela, mas fazer o quê?! Carol era a Líder. No entanto, não aquele tipo de Líder da sala dedo-duro que conta tudo para os professores e coordenadores, e que tem como profissão acabar com a sua vida social e sentimental. Nesse ponto ela era até legal. Para uma novata como eu, o mais difícil era conseguir participar de um grupo veterano, sorte da Camile que mais tarde conseguiu entrar no grupo de Carol. Amizades, conteúdo, adaptação, tudo era mais difícil pra mim, mas isso não me faria desistir de me encaixar em um bom grupo e ter uma vida social estável.

Um comentário:

Taynara disse...

Super Interessante :D