terça-feira, 1 de março de 2011

Desejos Impuros - Parte 11 - Confie em Mim

No mesmo momento em que Rosenberg ficou naquele estado, estagnado no meio do pátio. Carol ficou gelada, como se um turbilhão de sonhos e pensamento passassem pela sua cabeça. De fato eu nunca tinha visto um aperto de mão durar tanto tempo, mas é claro que Franco não deixaria de vasculhar o seu passado. Afinal, ela havia o deixado entrar em sua mente por sua própria vontade. E tudo que lá existisse, uma história, um acontecimento ou uma mera lembrança o faria com que entendesse melhor aquela aluna tão polêmica e popular.

Quando terminou, Franco beijou levemente a mão de Carol, agradecendo toda a confiança concedida. Carol olhou para Franco, fascinada com o seu poder e disse: "de nada." - dando-lhe um lindo sorriso. Por fim Franco soltou a mão de Carol, e se voltou para mim e Thalita com um olhar misterioso, escolhendo qual seria a sua próxima vítima. Sinceramente, eu não gostaria de ser escolhida para tal sacrifício. Imagine que todos os seus maiores segredos, pensamentos e lembranças ficariam retidas na memória de um único homem, o seu Professor. Isso é quase um pesadelo. Mas só de pensar nele tocando em minha mão, e me olhando fixamente com aqueles lindos e sedutores olhos castanhos. O pesadelo seria bem recompensado.

Rosenberg se colocou a minha frente, e continuou pensativo. Talvez estivesse pensando se realmente deveria fazer aquilo comigo ou não. Carol pondo um fim em seu silêncio e pergunta: "Professor Rosenberg pretende ler a mente de Melina?". Franco olhou para mim com uma expressão ainda mais intensa e disse: "Se ela me permitir." Ainda sério este se curvou e estendeu a sua mão. Só pelo fato dele estar estendendo a sua mão pra mim, aquilo já havia me deixava toda derretida por ele, mas me mantive séria. Notando que eu estava parada e sem dar a mão. Rosenberg perguntou: "Está com medo?". Não respondi então ele continuou: "Melina eu só irei até onde a sua mente me deixar ir." Olhei para baixo, ainda com um pouco de medo, mas este acabou no exato momento em que Franco me olhou nos olhos e disse essas três palavras: "Confie em mim."

"Confie em mim", foi a melhor expressão que Franco Rosenberg poderia ter usado comigo naquele momento e óbvio que funcionou. Depois de ouvi-lo dizer tais palavras, coloquei a minha mão em cima da dele e deixei que me conduzisse a uma dança, aonde meus pensamentos poderiam bailar pelo salão e a música pudesse ser tudo de mais bonito que eu já tivesse ouvido em toda minha vida.

Um comentário:

♪ Dαyαnє ♪ disse...

Oi, :)

"Mas só de pensar nele tocando em minha mão, e me olhando fixamente com aqueles lindos e sedutores olhos castanhos. O pesadelo seria bem recompensado" - concordo *------* rsrs'

Muuuito arriscado deixar o Franco ler a mente dela ainda mais quando ela já está se apaixonando por ele, mas estou curiosa pra saber a reação dele ^^

Indo para o próximo capitulo! o/

~> Beijusss...;*